domingo, 28 de julho de 2013

BOLO À MODA DO PAULO ROLIM




Custo: R$, 2,50 por receita

- 02 xícaras (copo americano) de açúcar cristal
-03 ovos
- ½ xícara (copo americano) de óleo de soja.
Misture tudo isso na batedeira



Acrescente:
- 02 xícaras (copo americano) de farinha de trigo;
- 01 pitada de sal;
- 02 xícaras (copo americano) de leite;
- 04 colheres de sopa de queijo ralado;
- 03 colheres de sopa de coco ralado;


Bata tudo e acrescente:
- 01 colher de fermento em pó Royal diluído em meia xícara (copo americano) de leite.

Misture na batedeira o açúcar, óleo de soja e ovos. Depois, adicione a farinha, o leite, o queijo, coco ralado e bata bem. 


Untar com margarina e farinhar uma forma (redonda) e levar ao forno a 220 graus por 50 minutos.

Receita econômica e resultado excelente!!


Bon apetit!!!


sexta-feira, 26 de julho de 2013

DA POESIA, QUE SE FOI...




Não...Não cabem mais poemas...
A poesia se vai...
Escondida em um pôr-do-sol...
Ocaso do amor...
Adormece prematuramente...

Adormece sonhos...
Sonhos vividos
ou não...
Sonhos ainda por viver...

Talvez, nem lua cheia traga-a
de volta...
Nem os sonhos a despertem...

Não, não cabem mais poemas...
Poesia adormecida...
Quase morta...

Adormecida...
Aqui, imerso em saudade
Que deixou...

Dor... saudade...

Renasce, poesia...
Vem... Volta...
Pode ser em forma de canções...
De carinhos,,
De doces palavras via éter...

Renasce...
Volta, poesia...

A CONSAGRAÇÃO DA CASA NOVA


Dona Ana abriu um sorriso e murmurou um “Graças-a-Deus” ao ver ao longe na estrada o vulto de sua comadre Sebastiana acompanhada de uma das filhas. Seu coração se aliviou, afinal havia muito serviço naquele fim-de-semana e sozinha não daria conta de todos os afazeres. Foi uma alegria incontida quando sua grande amiga se ofereceu para ajudá-la. E ela aceitou de imediato.
Começou a planejar a Consagração ao Sagrado Coração de Jesus na nova casa da fazenda quando os buracos para os alicerces começaram a ser furados. E fez a promessa de realizar uma grande festa em louvor para que tudo corresse bem, para que tudo desse certo e fosse concluído a tempo.
De comum acordo com o esposo separou alguns novilhos, mandou preparar o mangueiro com novas leitoas e arrumar o galinheiro para acomodar um número suficiente de frangos caipiras para a grande festa.
O início da construção foi no período final das chuvas, ai por volta do mês de março e terminou no comecinho do mês de outubro, coincidindo com a temporada das frutas na fazenda. Parecia que os pomares entenderam seu propósito e capricharam. Nunca se viu ali tanta fruta madura e doce. Mexerica pokan, jabuticabeiras lotadas (algumas já no seguindo carrego), os cajueiros com seus frutos coloridos, os cajuzinhos do campo azedinhos, todos colaboraram para que a fartura fosse grande. As mangueiras todas com seus galhos vergados pelo peso dos frutos. Assim a Fazenda Santa Lúcia se preparou para a grande festa da casa nova.
Já no sábado pela manhã, a casa era um burburinho só. Os homens preparavam os novilhos e porcos abatidos na véspera. As mulheres sob o comando de dona Ana e de sua comadre Sebastiana agora eram muitas. Estavam lá vizinhas, filhas, noras e amigas da família em animada e alegre conversa. Ajudavam e cuidavam de tudo. Algumas cortando frangos, outras preparando o tempero para a comida, grandes panelas sendo lavadas e “ariadas”, ficando branquinhas, brilhando.
Os meninos numerosos brincavam na grande varanda que circundava a casa. Deliciavam-se com os frutos do quintal, mas não sem antes serem advertidos pelos adultos: “cuidado que mistura com manga faz mal, menino”!
As meninas mais comedidas ninavam suas bonecas, de vários tamanhos e cores, em delicada brincadeira.
O grande momento enfim chegara. Ao lado do esposo, companheiro de muitas décadas –, dos filhos e netos e diante da imagem do Sagrado coração de Jesus dona Ana fez o sinal da cruz iniciou o “canto de invocação” ao Divino Espírito Santo. E se emocionou. Afinal, alguns sonhos de uma vida inteira estavam se concretizando. Por alguns instantes teve lembranças da casa antiga onde criara seus filhos. Mas nem a nostalgia foi suficiente para conter a alegria da nova casa. E ela lutara muito por isso.
Assim, de coração leve e feliz dona Ana rezou. Agradeceu. E se alegrou com presença e a felicidade dos amigos em sua nova casa.



quarta-feira, 24 de julho de 2013

TEMPO DO TEMPO

Hiato de tempo
De alma
Desiderato...

Busca...
Aspirações... 
Busca incessante!
Quando? Onde?

Vem logo...
Que chegue logo esse momento...
Espero ansioso...
Mas,
A espera é angustiante...

Desiderato...
Há que chegar...

Hei de conseguir!

INSENSATEZ

Como és egoísta...
Pensa só em ti...
Unica e exclusivamente em tí.
Não admite sequer poucos instantes de
Necessária desatenção...
Ou de necessária ausência...

Essa exigência faz quer dizer que
Entendes que
Sou nada... Nada sem você...
Nada? Sim, nada sem você...

Seja mais condescendente...
Compreenda mais...

Peço: compreenda mais...
Sei da sua insensatez...
Sei que pensas somente em ti...
Mas, compreenda mais...

Peço...
Peço a ti, 
compreenda mais...

Ó Insensato coração!

terça-feira, 23 de julho de 2013

DISSONÂNCIA

Sonhos...
Sempre juntos... Faremos tudo juntos...
Sonharemos e... Viveremos...
Sonhos...

Mas, independência ou...

Ausência? Saudade?

Caminhos, trajetórias...
Na mesma direção...
Mãos dadas, mãos entrelaçadas...
Juntas, unidas pelo coração...

Na mesma direção...
Nem sempre...
No mesmo olhar...
Olhar no mesmo horizonte, mas...
Não mais ...

Olhar no olhar?

segunda-feira, 22 de julho de 2013

ARIDEZ

Caminho... Busco...
Supero...
Pedras... Íngremes ladeiras...

Ribanceiras perigosas,
Traiçoeiras, fatais...
Transponho, venço...
Não importa se só...
Sigo...                                  

Há que se plantar
Para que um dia venha
A colheita...

Ao coração, pulsar...

Afinal,
mesmo pisando em terreno
Infértil, árido
Ainda busco lugares
para que possa semear...


sexta-feira, 12 de julho de 2013

CONRADIANAMENTE, JEAN PIERRE... CONRADIANAMENTE!

                Foi em uma tarde quente de um mês qualquer que conheci o cronista das coisas simples e belas da vida, nos corredores da Secretaria da Agricultura de Goiás,  onde ele trabalhava como médico veterinário. Fitou-me com seus olhos de um azul intenso, e estendeu-me a mão, cumprimentando-me de forma séria e compenetrada.
                Estava eu diante de um dos grandes cronistas do Brasil. Sua obra literária me encantava há alguns anos, através das páginas dos jornais em que publicava. E crônica sempre foi uma predileção minha.
                Após rápida conversa, falando de trivialidades, afirmei ao cronista achar suas crônicas “uma beleza”, mas ele nada disse em resposta. Mas soube depois que se emocionara ao ouvir minha afirmação.
                Jean Pierre Conrad era Pernambucano, mas adotara e adorava Goiás. Tinha como sua terra, sua pátria.
         Lembro-me de algumas crônicas muito interessantes. De seu ponto preferido de observação, um pequeno e simples boteco no Setor Novo Horizonte, em Goiânia, enquanto esperava o almoço e degustava uma Brahma, ele observava a vida, o dia-a-dia e as pessoas que ali passavam. E, de forma simples relatava isso. Citava em seus textos as senhoras idosas, que com dificuldade se locomoviam em busca do posto de saúde ali perto, os carregadores de caminhões de bebidas que paravam ali para almoçar. Ou mesmo quando ensinava os leitores a fazer um gesto característico de ofensa com os dedos, que usou ao ser fechado por um caminhão de transporte de valores.
                Passava um pouco, embarcava em seu velho fusca amarelo, que chamava de viatura, e saia em direção ao seu canto, em busca do almoço, para certamente, após um taco de rapadura, tirar um justo e merecido cochilo.
Jean Pierre se encantava quando, nas manhãs de sol, punha-se a observar no seu quintal a ternura e carinho das pequenas rolinhas que vinham ali se alimentar do “xerém” que diariamente jogava ali para elas. Eram doces momentos de enlevo, que tão habilmente, relatava em seus escritos.
E colocava todo o coração, quando referia-se à amada nas crônicas. Longos parágrafos dedicados a ela. Poesia pura em forma de crônica. Declarações de amor, cheias de ternura. Sabia como colocar em uma simples folha de papel seu amor e dedicação.
Um dia o visitei na pequena edícula que morava. Com certa tristeza me disse do fim do romance. “Ficou a amizade” afirmou, embora tenha deixado claro que preferia que permanecesse o amor.
Por longas horas conversamos. Aprendi um pouco mais naquele dia. Pierre era acima de tudo apaixonado pelos animais. Não admitia que judiassem ou os maltratassem. Cuidava dos da vizinhança e também dos da rua, que por ali aparecessem. Ao sair, pegou uma rapadura que estava sobre uma pequena mesa, partiu-a ao meio e me presenteou. Pelo brilho de seu olhar estava me dando um de seus tesouros.
Jean Pierre Conrad há alguns dias nos deixou. Certamente está cuidando dos animaizinhos celestes e escrevendo suas crônicas por lá. Encantando o paraíso.
Deixou sua obra, seu estilo literário e seu exemplo de amigo. Deixou acima de tudo o ensinamento de ver a vida, a partir das coisas simples e belas. A maneira Jean Pierre de ser. De Conradianamente perceber e viver a vida. E Conradianamente, vamos seguindo por aqui. Obrigado, Poeta!

quarta-feira, 10 de julho de 2013

DE TE ENCONTRAR POR AÍ...




Farei poemas... Poemas de amor,
de saudade... 
Excertos de páginas
de muita felicidade... 
Poemas de afirmação 
da certeza de te amar, 
da incerteza do sonho de ter você
para sempre...

De uma certeza: que te encontrarei por aí...
em madrugada cheia de estrelas... 
Serão elas as únicas testemunhas
e cúmplices de nosso idílio... 

Madrugada de canções, paixões... 
Nós dois, de mãos dadas a caminhar pela rua...
em busca do amor,
sob tênue réstia do que resta
da luz de lua minguante, 
quase nova...

Lua que um dia me destes...
Lua que me destes... 
E que generosamente
trouxe consigo teu sorriso!
Teu lindo e encantador sorriso!



sexta-feira, 5 de julho de 2013

DOS LIMIARES DO TEMPO

Depois de tanto tempo, eis-me a procurar encontrar hiatos de tempo e fazer uma pequena pausa, para possa refletir sobre a vida e sobre como levo a vida.
E são inexoráveis as imposições que ela me apresenta. Desde quando me levanto - ainda madrugada - até quando o dia termina e busco o travesseiro.
Tanta coisa se passa neste período, embora quase sempre não perceba sua importância no desenrolar do dia. É apenas rotina, obrigação do dia-a-dia. Sequer paro e consigo imaginar que, caso não cumprisse com essa rotina, o que aconteceria. Negócios não se realizariam? Compromissos assumidos não seriam cumpridos. A vida não seguiria. Nada daria certo.
Procuro, mas não encontro resposta se, de repente eu parasse no tempo e não mais tivesse noção da dimensão da vida, das coisas importantes e corriqueiras, da certeza da obrigação do fazer.
Quem me dera eu me colocasse em situação de “Conradianamente”* ficar a esperar, depois das quatro e meia da manhã, sentado em uma cadeira na varanda da minha casa, ao lado de quem tanto amo, a esperar o dia chegar.
Ainda olhando as ultimas estrelas da madrugada eu me deixaria sentir o nascer verdadeiro do dia, os primeiros sinais da manhã radiosa, os primeiros pássaros a cruzar o céu, o indicio do sol lentamente tornar-se barra do dia, para depois chegar radiante, imponente, régio. O irmão sol traz com sua luminosidade e seu calor a certeza de um dia feliz.
Depois deste belo chegar do dia, nada como ficar a acompanhar os movimentos das variadas espécies de pássaros, com sua maravilhosa e integrada orquestra.
Parar em frente à minha casa e dar bom dia a quem não conheço, a quem nunca vi. Desejar do fundo do coração a felicidade, a paz, o bem e a harmonia a quem passa simplesmente por ali.
Um dia, ouvi que a vida não é um destino, mas uma jornada. E que somos muito capazes de ser donos do nosso caminho. Donos do próprio rumo.
Creio que tudo o que temos na vida é a própria vida.
E um dia, se qualquer um de nós pararmos, nem que seja por algumas horas e apreciar o belo que está ao nosso lado, certamente prolongaremos os momentos felizes. E serão bem mais intensos.
Que todos possam, ao menos uma vez na vida, ver o dia chegar depois de um a madrugada esplêndida e misteriosa, apreciar o canto dos pássaros e enternecer-se com a beleza de uma flor.
Haverá mais ternura e felicidade no nosso mundo.


** “Conradianamente”: homenagem ao cronista-poeta das coisas simples e belas, Jean Pierre conrad