sexta-feira, 26 de maio de 2017

PALMAS - TO: UM INEXISTENTE MAIO AMARELO E A LUTA PELA VIDA

Foto: Reprodução - Jornal do Tocantins


A distância entre estar alegre, feliz e pensando nos dias que virão, vibrando com as recentes conquistas, celebrando a chegada de um novo dia e sonhar com dias venturosos, e estar em uma UTI, mantido por aparelhos e contando com a perícia e a dedicação dos profissionais da medicina, é mesmo muito pequena.
É uma linha muito fina e tênue, que quando é ultrapassada, traz dores, tristezas, angustia e muita incerteza.
Era apenas mais uma manhã de inicio de semana. Semana que precisava ser boa e para que isso fosse, era bom que começasse com mente e corpo sãos. E para isso, nada como ir ao belo e majestoso Parque Cesamar, na cidade de Palmas, capital do estado do Tocantins e colocar isso em prática.
A intenção de começar a semana praticando esportes, e com isso trazer disposição para enfrentar os desafios parou brusca e violentamente em um cruzamento de duas avenidas amplas, teoricamente seguras, monitoradas e bem sinalizadas da capital tocantinense.
De imediato, Genilson, farmacêutico e grande amigo, teve sua vida violentamente ceifada. Genilson Rodrigues era um cidadão de bem, pai de família jovem e alegre, responsável, correto e trabalhador e teve ali, naquele momento, a decretação irreversível da perda do direito de continuar a viver.
O motorista do carro, José Américo Rolim – meu irmão – ainda teve uma chance. A rápida e eficiente ação dos socorristas foi determinante. Segundo soube, o ambiente da tragédia era de estarrecer. Uma pessoa morta, outra gravemente ferida e três rapazes com evidentes sinais de embriaguez, segundo boletim de ocorrência da Policia Militar, perdidos e sem noção do que acabara de acontecer. Talvez ainda continuassem com o espírito de animação e alegria, conforme segundo se apurou, da festa que acabaram de sair.
Um pai de família teve sua vida ceifada. Outro, pelo que o conheço, ainda luta com todas as suas forças, apesar do coma, da respiração mecânica e do trauma neurológico, em uma UTI por permanecer vivo.
Para mim, distante do local da tragédia, foi doloroso ver imagens de servidores recolhendo os restos, pedaços do carro amarelo que pertence à meu irmão. Carro que servia para passeio e era também ferramenta de trabalho, instrumento de sobrevivência.
Falar em amarelo, estamos – ou não estamos? – na campanha “Maio Amarelo – atenção pela vida”. Bonito slogan, estampado em todos os sites, blogs e em veículos de comunicação oficiais de todo o país.
O maio amarelo na cidade de Palmas, para mim terá como símbolo os pedaços do carro que vitimou meu irmão e seu amigo Genilson. Maio Amarelo em Palmas terá como referência pedaços de um carro amarelo. E eu nunca esperava isso.
Não se trata de revolta contra quem, em tese, não tem nada a ver com a tragédia do acidente. Mas tem a ver sim, pois os equipamentos de monitoramento do cruzamento, segundo informou em entrevista o responsável pelo setor de trânsito da Prefeitura de Palmas, não funcionava. Portanto, notadamente, a campanha Maio Amarelo em Palmas, fica representada por pedaços de um carro, que em um trágico acidente, ceifou a vida de um homem e feriu gravemente outro.
Mas, a Prefeitura de Palmas não precisa se orgulhar de ser o único mau exemplo. Quem quiser, tente acessar o site “maio amarelo ponto com”.  Se conseguir, avise. Como as câmeras de monitoramento do transito de Palmas, o site também não funciona.
Restam esperanças. Ainda restam esperanças que meu irmão consiga sair desta situação. Ele que gosta tanto da vida, ama a liberdade é amigo de todos.
O Pai Eterno, Deus, Todo-poderoso tem ouvido nossas orações e sido complacente. Confiemos.
Afinal, a vida ainda está presente.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

MEU DOLORIDO CORAÇÃO, TÃO BRASILEIRO...



A cada semana, tenho a alegria de ocupar esse espaço e escrever, a partir daquilo que está contido em meu coração, sobre reminiscências da infância, a magia dos amplos quintais da querida, saudosa e amada Fazenda Nova América, dos banhos de riacho ao fim da tarde, quando meu pai depois de um dia extenuante de trabalho na roça, ainda encontrava disposição e forças para brincar comigo e com meus irmãos, onde éramos grandes amigos em alegre folguedo.
Gosto de descrever as noites de humildes e singelos saraus, onde minha mãe declamava versos, acompanhada pelo violão dolente tocado por mãos rudes e calosas de meu pai. Também recordo com imenso carinho o colo e o amor intenso de minha mãe, compartilhado com meu pai e meus irmãos.
Hoje meu coração está em compasso de tristeza. Difícil escrever sobre alegrias, tão presentes em minha alma, vividas na infância, na adolescência, junto com a amada e depois, com a presença das filhas e recentemente, do neto querido e também muito amado. Difícil escrever sobre demonstrações cotidianas de amizade e respeito de tantos amigos que utilizando a tecnologia e a modernidade, fazem contato.
A realidade nua e crua é que o Brasil, antes o país do futuro e da esperança, celeiro do mundo, está à deriva.
Meu coração hoje sangra. Meu coração está machucado e triste. Sou como tantos brasileiros de uma geração que lutou por ideais. Lutamos por liberdade. Liberdade em suas diversas vertentes. Liberdade de expressão, liberdade de ir e vir – é, liberdade de ir e vir, algo tão corriqueiro e indispensável ao ser humano.
Lutamos por eleições diretas, por democracia, por igualdade econômica e justiça social. No meio dessa luta muitos tombarem ante baionetas ou ante balas de pistoleiros à serviço de poderosos que, para ampliarem seu poder, ceifaram vidas.
Hoje, a luta pela vida continua. E temos que combater quadrilhas comandando nossos destinos. Bandidos que utilizam expedientes vergonhosos e ilegais para manter o poder. Temos um presidente da república investigado pela polícia, os presidentes da câmara e do senado também investigados. Eles, hoje não representam o povo brasileiro, não representam o sofrido e honesto trabalhador, que todos os meses, apesar das dificuldades, paga suas contas. Isso quando não está entre os trinta milhões de desempregados, herança maldita de um partido que se dizia “dos trabalhadores”.
Tivemos durante longos anos uma quadrilha se locupletando do poder. Uma quadrilha nefasta que usando da popularidade obtida minimizou tsunamis que vinham sobre o país, fazendo acreditar que eram “marolinhas”. Ledo e desonesto engano. Eram turbilhões que não demoraram a cair sobre o Brasil.
Hoje, novamente vem à tona mais verdades. Apesar da ação célere e firme de setores da justiça e do ministério público, os ladrões do erário mantiveram ativos os esquemas de corrupção. Não se intimidaram com o braço forte da justiça, com a ação incansável de abnegados que acreditam que a justiça se fará valer. Confiavam evidentemente, na impunidade, que nunca atingiram as dinastias, as castas a que pertencem.
A cadeia deve ser o destino certo, longo e grande para esses ladrões. Ladrões de sonhos, de vidas, de ideais. Roubaram também nossas suadas conquistas. Com isso, que meu coração, assim como o coração de tantos brasileiros honestos e que batalham cotidianamente, possa voltar a acreditar no Brasil.
Mas em um Brasil livre de bandidos, de ladrões como os que nesse momento ainda decidem nossos destinos.
Que o pouco que nos resta, seja mantido, preservado. Que o país que acreditamos e que sonhamos, ao menos para as próximas gerações, possa se concretizar. À minha geração, que citam como perdida, já vai passando. Que venha um país melhor para quem for viver o futuro. O presente é de desesperança. Infelizmente. Que o país do futuro seja sem ladrões e corruptos entre os que devem defender esta terra.
É o que nos resta esperar. Ainda que seja sonho e a maioria de nossos sonhos tenham sido roubados.
E que nunca esqueçamos: somos livres. De alma e coração!




sexta-feira, 12 de maio de 2017

O SER MÃE TODOS OS DIAS...




Ao cair da noite, logo após o banho de riacho e o jantar, toda a família – papai, mamãe, meus irmãos e eu – se reunia na pequena e rústica calçada de chão batido, amparada por grossas toras de madeira, que ficava em frente à casa simples da Fazenda Nova América.
Embora ocorresse praticamente todos os dias, esse encontro era sempre um momento único, mágico, quando meus pais aproveitavam para colocar os assuntos em dia, falar dos acontecimentos nos vizinhos, do destino da colheita que estava armazenada nos paióis, quando começaria a preparação para a próxima safra, coisas assim. Enquanto isso, a noite ia se fazendo e logo, surgia no horizonte uma lua grande, imensa, cheia de beleza e encanto.
Eis que o clima pedia e o violão alguém trazia. Assim, papai se punha a dedilhar valsas e dobrados. Apesar das mãos judiadas pelo trabalho árduo e cotidiano da roça isso não era empecilho, e ele soltava sua alma, seu coração em acordes maravilhosos. Mamãe também passava declamar versos e entoar as canções que tanto gostávamos.
E eu logo sentia o cansaço bater e o sono chegar.  Cansaço de um menino que brincara durante todo o dia. Então, buscava o acalento do colo de minha mãe, onde deitava e recebia em meus cabelos seu carinho, vindos de mãos suaves e ternas. Eu me deixava enlevar naquelas canções até adormecer. Sequer percebia quando era levado por meu pai à cama simples onde dormia. Não raro parecia escutar ao longe: “como esse menino está ficando pesado”.
A vida seguiu. O tempo inexoravelmente passou e essas lembranças estão aqui em mim.  Apesar da distancia e do tempo, são muito vivas, permeando os recônditos do coração. Ainda lembro quando nas madrugadas frias de outono, no meio da noite, minha mãe se levantava e vinha ver se eu e meus irmãos estávamos bem cobertos, agasalhados e se não passávamos frio. Era cuidado, amor, carinho de mãe.
A cada ano no mês de maio, a lembrança se intensifica. O dia das mães me leva a esses momentos de pura saudade. Hoje divido a alegria desse dia com a presença da esposa, mãe de minhas filhas, da minha filha que é mãe, e também minhas irmãs e sobrinhas.
A saudade dos momentos da infância com minha querida mãe se junta á alegria do presente. Cresci em um lar onde o amor era a marca maior. Meus pais muito se amavam e faziam questão de que esse amor fosse estendido aos filhos. Isso nos tornou muito próximos, e também muito amigos. Amor e amizade de irmãos, pais, filhos.
E falar em amor, neste domingo é o dia das mães. Que possamos dar amor e carinho às mães que estão perto de nós. Caso a vida não permita um presente, uma lembrança, dê carinho na forma de um beijo, um abraço forte e demorado. Não há nada melhor que presença e atenção.
Desejamos felicidade e alegrias à nossas mamães. Não somente neste dia e neste mês de maio, mas em todos os dias da existência. Que possamos retribuir ao menos em parte o tanto que recebemos.
Que o dia das mães seja também todos os dias. Às mamães de nossa vida, muito amor e carinho. Um feliz todos os dias, às mães.





sexta-feira, 5 de maio de 2017

FLORES, CORES E SAUDADES, TÃO PRESENTES EM MAIO



O mês de maio chegou com poucas e esparsas chuvas, madrugadas amenas e dias com menor intensidade de luz. Sim, menor intensidade de luz, pois o anoitecer vem rápido, pouco depois das seis da tarde.
É interessante, mas em maio – seja nas árvores das avenidas da cidade ou nos quintais, os pássaros parecem ter saído de sua letargia da época das chuvas e, fagueiros, cantam como na primavera, ziguezagueiam pra lá e pra cá, como que a aproveitar o frescor e a beleza das manhãs de outono.
As famosas chuvas de maio, por aqui foram poucas. Deram o ar da graça longe, distante. Percebe-se que estão presentes, por causas das nuvens negras no horizonte, mas em meu bairro, foram poucas.  A previsão do tempo informa que elas ainda virão, mas cada vez mais raras, até sumirem de vez. Talvez voltem em junho ou agosto, na famosa e importante chuva das flores.
E por falar em flores, percebo nas mangueiras do quintal imensos cachos com seu perfume característico, que atrai inúmeros insetos que ficam circundando-os. E esses cachos de flores, em meio às frutas temporãs que fazem a alegria dos pássaros são a certeza de que em breve, nova safra, nova temporada de mangas, doces e sempre deliciosas.
Maio é para mim um mês muito especial. É quando o clima tem a ver com o que a estação do ano, o outono, representa. É em Maio que temos o retorno das manhãs de sol brilhante que trazem até nós aquele ar de cidade do interior, transcendendo paz e harmonia em todas as horas do dia. E maio é o mês em que comemoro bodas. E neste ano, de madrepérola. 31 anos.
Pra mim, maio tem datas sempre muito especiais. No seu segundo domingo é o dia das mães. Não te como deixar de se emocionar ao recordar os carinhos e o cuidado de minha mãe durante minha vida e o cuidado das mães que me cercam – a amada, que é mãe das minhas filhas e avó do meu neto, minhas irmãs, mães de amados sobrinhos e sobrinhas que também são mães, e tantas outras mães que, ao longo da vida, amei e fui amado por elas.
Outra data a celebrar, é o dia 24. 24 de maio era quando comemorávamos o aniversário de min ha querida e saudosa mãe Elvira Rolim. No mês das mães, minha mãe era aniversariante.
Era quando toda a família se reunia. Irmãos e irmãs, cunhados e cunhada, sobrinhos e sobrinhas, e amigos da família para primeiro, um almoço onde todos davam sua parcela de colaboração. A mim cabia fazer o churrasco, ou quando o cardápio era diferente, fazer o prato especial no fogão à lenha.
Era um dia de alegria e confraternização. E o violão “alguém trazia” e era tocado por meu pai, meu irmão e por mim. Tocávamos acompanhados por muitas vozes que entoavam canções que nos acompanharam desde a infância. O ponto alto era quando alguém pedia e começava duas canções muito marcantes: “Utopia” e “Canção da família”, ambas do Padre Zezinho. Momento de abraços, de lágrimas de emoção e de alegria.
Logo todos almoçavam e no meio da tarde era a alegria da meninada: hora do parabéns e de cortar o bolo, que  vinha acompanhado de brigadeiros, doces e bombons.
Hoje, minha queria mãe não está mais entre nós. Mas o mês de maio me traz essas lembranças e o presente é sempre maravilhoso. Como as etapas da vida sempre se cumprem, viver o presente, guardar nos recônditos do coração as saudades.

Na felicidade de viver mais um mês de maio, que antecede junho. Que este maio seja como sempre, de bênçãos e bem aventuranças.  De saudades e, também de muitas alegrias. 






terça-feira, 18 de abril de 2017

BOREAL







Ante luzes
Diante de mim
Procuro
 Ansioso
A luz
Do teu sorriso...

Ao lado de 
Milhões de
Intensos leds,
 Quero me encontrar
Em tua poesia, e
Me ver em versos
Em teu coração...

Eis que encontro
luz de
Teu sorriso
Que se apresenta
Única
Diante de mim...
Ante leds,
Milhões de leds...

-*-



#Deumpoetaqualquer

sábado, 8 de abril de 2017

EU, RIOBALDO...VOCÊ, DIADORIM!




Olhos no mar
De Minas,
De gerais.
Sorriso de céu!
Eu Riobaldo
Você, Diadorim.
Eu em você
Você distante
Aqui, em mim.

O coração,
Em tropel
Por
Veredas,
Nesse sertão...
Dentro do peito,
Sendas,
Insondáveis...

Apenas e
Tão somente
Conhecidas
Por ti
E por mim.
Eu Riobaldo,
Você, Diadorim!

Olhar de céu
Olhos...
Verdes veredas
Doce refrigério...
Tua boca,
Pôr do sol, carmim;
Eu, Riobaldo
Você, Diadorim...
Eu em você
Você sempre
Aqui, em mim.

O coração,
Em tropel
Por
Veredas de um
Sertão sem fim
Dentro do peito.
Sendas
Insondáveis...

Apenas e
Tão somente
Conhecidas
Por ti
E por mim.
Eu, Riobaldo,
Você, Diadorim!





sexta-feira, 7 de abril de 2017

EM DIAS E NOITES DE OUTONO


Imagem retirada da internet


O outono chegou e como sempre, alternando dias quentes com chuvas fortes e repentinas, quase sempre ao final da tarde. Às vezes, a chuva vem à noite, trazendo acalento e quietude. Não raro, se estende pela madrugada e ao alvorecer, tem-se uma bela manhã de sol, clima ameno, suave, o orvalho cobrindo árvores, plantas e pequenas moitas de capim, verdes nessa época, que ocupam os terrenos baldios da cidade.
O encanto e o enlevo da alma ficam por aí. Ao ligar o rádio para ouvir noticias matutinas ou acessar portais via internet, vem-se um turbilhão de assuntos, em sua maioria, desalentadores e tristes.
O país está à deriva. Governado por um presidente que quer porque quer aprovar leis que vão contra direitos adquiridos dos cidadãos, com a desculpa de zerar défits e atender aos mercados, que se locupletam com a especulação financeira e a leniência das autoridades.
Também criminosos contumazes travestidos de políticos – muitos detentores de  mandato parlamentar, que vergonhosamente atentam contra tudo aquilo que é bom e honesto. Eles, detentores da confiança do povo através do voto, roubam, conspiram e vilipendiam o país, composto em sua imensa maioria por pessoas honestas e trabalhadoras, que ainda assim têm orgulho de ser brasileiros.
Agora os senhores políticos, a maioria deles indiciados por corrupção, peculato, roubo do erário e outras modalidades criminosas, com medo de perderem o mandato ao não serem reeleitos – o que esperamos – querem impor ao país uma tal de lista fechada, onde os caciques, donos dos partidos políticos, como chefes de facção criminosa, indicarão seus parceiros preferidos.
Lutamos árdua e dificilmente para poder votar em quem quisermos. Lutamos contra uma ditadura militar durante 21 nos, mais o tempo que o Sr. José Sarney, eleito por via indireta, sendo vice de Tancredo Neves, assumiu a presidência da república por cinco anos.
A democracia no país, regime por mais imperfeito que seja, é um patrimônio de toda a sociedade e está em perigo. Não podemos aceitar que políticos criminosos, – como o Sr. Renan Calheiros, réu e indiciado por 12 vezes – e que contam com a leniência e bondade de tribunais que deveriam julgá-los, de maneira vergonhosa e repentina, acabem com o nosso sagrado direito de votar em quem quisermos. Pensar que enquanto políticos roubam bilhões, falta gaze e dipirona nos postos de saúde da rede pública.
O povo brasileiro, o cidadão de bem, honesto e trabalhador, que diariamente luta pela sobrevivência não pode aceitar que essa corja mantenha-se no poder à custa de manobras escusas.
E em outro campo, as noticias que chegam pelo rádio dão conta que o mundo não vai bem. Na insana e inaceitável guerra da Síria, crianças inocentes, homens e mulheres morreram atingidos por armas químicas, notadamente o letal e cruel gás Sarin. A sensação é de indignação, tristeza e decepção com o ser humano.
E para piorar, na manhã de hoje, acordo com a notícia de retaliação dos poderosos senhores da guerra, lançando seus precisos e poderosos misseis contra a Síria.
O mundo poderia ser bem melhor. A esperança nos leva a sonhar que, talvez por um único momento de um dia esses senhores da guerra, sempre imersos em seus ideais assassinos, deixassem por alguns instantes de lado o ódio e percebessem a beleza de uma manhã de outono. Quem sabe, mudariam seus conceitos. E a paz se tornaria mais fácil.
Felizmente temos a beleza das manhãs e a força da poesia, que diariamente nos alimenta e acalenta. Apesar de tudo, apesar dos senhores da guerra.
Em dias e noites de outono.